Getty Images

Para driblar a falta de experiência, estudante deve valorizar atividades extracurriculares e voluntariado

SÃO PAULO – Criar um currículo não é fácil, sobretudo para quem não tem experiência.

Como um estudante, que busca uma oportunidade de estágio, pode montar um currículo interessante? Como ele pode driblar a ausência de experiências profissionais e, ainda assim, mostrar-se interessante o suficiente a ponto de ser contratado por uma empresa?

Segundo o Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), que em 46 anos já encaminhou 10 milhões de estudantes para estágio, a dica é valorizar aspectos como atividades extracurriculares e voluntariado, lembrando sempre que a escolaridade, nesse caso, é o quesito que menos importa, pois os concorrentes serão muito parecidos.

Noely David, supervisora de Processos Especiais do Ciee, recomenda a divisão do currículo em quatro partes.

Na primeira, o estudante deve cuidar do cabeçalho, que deve incluir os dados pessoais (nome, endereço, telefone, e-mail). Na segunda, detalhar a formação acadêmica (escola, curso e ano).

Na terceira, o jovem deve relatar experiências práticas (se tiver, claro), sempre da mais recente para as antigas. Na quarta e última parte, adicionar informações, como conhecimento de idiomas e de informática, trabalho voluntário, práticas esportivas, etc. “Não é preciso assinar o currículo. Basta colocar o mês e o ano”, orienta a supervisora.

Uma boa estratégia para impressionar favoravelmente o recrutador é relacionar as informações do currículo com o estágio pretendido e a empresa.

De acordo com Noely, como quase todos os estudantes têm pouca experiência laboral, é melhor citar as características de comportamento que diferenciem o candidato, como prêmios recebidos e atividades extraclasse: atuação em diretórios acadêmicos (ter sido representante de turma mostra capacidade de negociação e relacionamento interpessoal) ou prática de esportes (indica disciplina, persistência, habilidade de atuar em equipe) contam pontos.

Segundo ela, é importante atentar pela estética e revisão do currículo, que não deve ter erros gramaticais. É recomendável ter cuidado na hora de enviar o documento pela internet. Ele deve ser endereçado para a empresa na qual o jovem tenha real interesse.

“É desaconselhável enviar uma apresentação com a lista de destinatários visível, especialmente se for uma relação de setores de recursos humanos de diversas companhias”, analisa Noely.

Entre todas as dicas, a supervisora considera como a mais importante “dizer sempre a verdade”. Se o currículo for selecionado, todas as informações nele contidas serão checadas e um dado falso pode destruir qualquer possibilidade de conquista da vaga, alerta.