Por Rodrigo Martin de Macedo

com Henrique Cesar Ulbrich

Muito tem se falado em TV Digital, mas por ser um assunto novo (e caro), o termo tem gerado muitas dúvidas. Preparamos um guia para você entender um pouco melhor essa nova tecnologia.

Mas o que é a TV Digital, afinal de contas?

Quando se fala em TV Digital, estamos nos referindo ao modo como o sinal de TV é codificado e transportado, pelo ar, desde a emissora até nossa casa. No método antigo, analógico, a informação de luz da imagem (de claro a escuro), a informação de cor e o som são transformados diretamente em sinais de rádio. O “movimento” no sinal de rádio reflete exatamente o movimento na imagem. Isso quer dizer que as interferências do meio ambiente, que atacam o sinal de rádio, atacam
também a informação de vídeo que está sendo transportada por ele. É por isso que vemos alterações nas cores, chuviscos e fantasmas quando o sinal está ruim. Isso é válido tanto para a TV captada por antenas como para a TV a cabo.

No caso da TV Digital, a imagem é transformada em números primeiro e depois esses números é que são transformados em sinais de rádio. Com isso, o sistema passa a ser praticamente imune a interferências, porque seu aparelho de TV em casa consegue entender o código numérico que está chegando, mesmo que a recepção esteja ruim. Como resultado, a imagem e o som são sempre límpidos.

A “digitalização” da transmissão está ainda no início e, por enquanto, priorizará imagem e som de maior qualidade. Mas, no futuro, a TV digital deve ganhar seu principal aliado: interatividade. Desta forma, com seu controle remoto, você poderá acessar informações complementares aos programas que estão sendo exibido s, alternar entre diferentes câmeras em um evento esportivo ou trocar o idioma da legenda de um filme, por exemplo.

Onde encontro canais de TV Digital?

Ao contrário do que muitos acreditam, a TV digital é uma tecnologia independente de “mensalidades”. Isso quer dizer que não é só nos canais por assinatura que podemos ter TV Digital – existem canais abertos (como Globo, SBT, Record) que transmitem seus programas no formato digital, de graça. Basta ter uma antena, da mesma forma que na TV analógica, que também precisa de antena. As duas antenas são diferentes, entretanto – consulte o manual de seu televisor, ou do conversor de TV Digital.

Trocando em miúdos, isso quer dizer que você não precisa pagar para ter acesso aos canais com o sinal digital. Ele está de graça à disposição do público, nos chamados “canais de TV aberta”. A única obrigatoriedade é que você precisa p ossuir um televisor e uma antena capazes de recebê-lo.

As operadoras de cabo também oferecem o sinal digital. Aí sim, é preciso pagar pra assisti-los. Mas lembre-se: a mensalidade não está sendo cobrada porque o canal é digital e sim porque você está assistindo a conteúdo exclusivo.

E atenção: nem todas as cidades do Brasil possuem sinal digital! Consulte a sua emissora local antes de comprar um aparelho! A sua TV de tubo, analógica, que já o serve há 20 anos ainda pode ser sua companheira por mais alguns.

Mas, o que significa ter um televisor capaz de receber o sinal digital?

Essa é outra pergunta bastante frequente. As pessoas pensam que pra assistir TV Digital terão que trocar de televisor e jogar fora o antigo.

Isso é mentira. Os televisores mais antigos são, é verdade, apenas compatíveis com o sinal analógico, sendo incapazes de, sozinhos, receberem o novo sinal digital. Mas há uma saída: basta comprar um conversor. Há diversos conversores no mercado (tinyurl.com/conversor-TVdigital), com preços e recursos distintos. Futuramente falaremos mais especificamente a respeito dos conversores.

O que muitas fabricantes já tem feito é embutir, em seus modelos mais recentes de televisores analógicos, os tais conversores. Assim, mesmo que você não queira comprar uma TV “moderninha”, já nativamente digital e bem cara, pode comprar uma TV de tubo ou LCD mais baratinha e que já possua o conversor.

Então, são três opções para ter TV Digital em casa:

1. manter seu televisor antigo e só comprar um conversor (que é uma caixinha que vai ligada entre a antena e o aparelho de TV)

2. comprar um televisor novo, que já seja compatível

3. assinar uma TV por assinatura que já ofereça a nova tecnologia.

Nas opções 1 e 2, você não paga mensal idade: as TVs são abertas e têm os mesmos programas que você já assiste hoje, na TV aberta analógica. Então não se preocupe, você vai continuar assistindo à sua novela no mesmo horário.

Na opção 3 você tem mais opções, mas vai desembolsar um dinheirinho no fim do mês – é preciso levar isso em conta.

Se você está pensando em comprar um novo aparelho de televisão, pense em adquirir um que já possua este recurso – e cuidado para não comprar por engano um que não possua. A previsão do Ministério das Comunicações, que regulamenta a transmissão de sinal televisivo, é de que em 2016 a transmissão do sinal analógico de TV seja encerrado.

Mas e a tal de alta definição, é a mesma coisa que TV digital?

Atenção: esse é o engano mais comum de todos.

TV digital e alta definição (HDTV) NÃO SÃO a mesma coisa.

A TV digital, como vimos, é o métod o, a tecnologia usada para transportar o sinal de televisão desde a emissora até a nossa casa. É um método moderno e menos propenso a sofrer com as interferencias. Mas na TV digital podemos transportar tanto programas de baixa definição como de alta.

Já a alta definição é outra coisaDefinição é a quantidade de detalhes que há na imagem. Uma imagem de baixa definição é aquela em que, se você olhar de perto, não vai conseguir enxergar os contornos dos objetos mais distantes ou de tamanho pequeno. Já na imagem de alta definição, esses detalhes são perfeitamente visíveis.

Um bom exemplo da diferença de alta e baixa resolução está no filme Casino Royale, de James Bond. Há uma cena em que o mar aparece ao fundo, bem distante. Quando visto em resolução normal, o mar aparece apenas como um azul contínuo. Na versão de alta definição do filme, é possível ver perfeitamente as ondas, embora elas se jam minúsculas em relação à ação que ocorre em primeiro plano.

Para mostrar a imagem em alta definição, um televisor HD (High Definition) divide a imagem em mais linhas. A televisão tradicional, de baixa resolução, mostra apenas 525 linhas. A alta definição básica (nos televisores marcados como HD ou HD-Ready) eleva a quantidade de linhas para 720. Na alta resolução completa, chamada de Full-HD, o número de linhas sobe para 1080.

Ou seja, mesmo com uma imagem e som melhor, ao adquirir um conversor de TV digital para um televisor que não seja de alta definição, você não verá o conteúdo em HD. Sua TV velha, com o conversor de TV Digital, será livre de fantasmas e chuviscos, mas a resoluçao continuará baixa.

É preciso um televisor de alta definição, desses mais novos, para ver programas em HD. Quando for comprar, certifique-se de que o aparelho seja HD-Ready ou Full-HD. Isso, é claro, se desejar c onteúdo em alta definição. Caso isso não seja importante para você, uma TV mais barata, não-HD, é mais vantagem.

Resumindo: TV Digital refere-se ao transporte da imagem desde a emissora até sua casa. Alta Definição é a quantidade de detalhes que a imagem consegue mostrar. São duas coisas que andam juntas, mas são coisas distintas.