Dizer que fazer ciência no Brasil é um sacerdócio no mínimo é um exagero. Sacerdotes em geral (ao menos os novatos) acreditam que sua vida de sofrimento é transitória, e que um dia estarão em um lugar melhor. Sem contar que no Brasil sacerdotes sequer precisar ter suas idéias aprovadas pelos pares, viva o sincretismo!

Por isso qualquer iniciativa minimamente racional em prol da Ciência é bem-vinda.

Como o portal Zappiens, iniciativa do Comitê Gestor da Internet no Brasil (sim, ele ainda existe. Não, não há provas de que seja comandado pelo Belchior). Ainda em sua infância, o portal ainda traz conteúdo acadêmico acadêmico, mas se bem alimentado pelas instituições pode virar algo interessante.

Agora, as críticas:

Em tempos de redes sociais, onde o conteúdo é rei mas quem comenta é rainha (tudo fruta!) um portal com pouca ou nenhuma capacidade de interação é um retrocesso. O Zappiens parece algo saído de 1998 (que é onde a maioria dos Especialista em Internet da Academia vivem). Enquanto o Flash já está com os dias contatos, eles ainda usam Windows Media 9.

Seria muito melhor, mais barato e mais eficiente se criassem um canal no YouTube, mas pelo visto a mania brasileira de reinventar a roda continua firme e forte.

Fonte: IDG Now!, dica via Twitter do Fernando